Se voce conhece a família ou conhecidos entre em contato

Marcelo e Raquel surdo-mudos precisam de ajuda. ATUALIZAÇÃO AGOSTO/1913: ENCONTRADOS OS PAIS BIOLÓGICOS.

LIOR DOS SANTOS

Procuro minha mãe Izabel Alves dos Santos. Nasci em Agosto ou Set/1986 - Curitiba ou outra região

BUSCA IMEDIATA É LEI FEDERAL 11.259/05

Determina que o registro do desaparecimento de crianças e adolescentes seja feito imediatamente. Não é necessário esperar 24h.

50 MIL CRIANÇAS E ADOLESCENTES DESAPARECEM POR ANO NO BRASIL

20% desses casos não são resolvidos, ou seja, 10 mil crianças e adolescentes não voltam para as suas famílias.

DESAPARECIDOS DO BRASIL NA LUTA CONTRA OS SEQUESTROS DE CRIANÇAS

O tráfico humano existe e é a principal causa dos desaparecimentos de crianças e adolescentes. Junte-se à nós nessa luta! Cadastre-se.

29 de abr de 2013

Continuam as buscas pela menina sequestrada dentro de casa


Veja também: Famosos se sensibilizam com o sequestro da menina de 11 anos

Irmã de Ida Verônica é intimada para ajudar na construção do retrato falado do sequestrador

Segundo a Polícia Civil, a construção do retrato falado é importante para auxiliar nas buscas dos criminosos e na solução do caso

Foi intimada pela Polícia Civil, Daniele Siqueira, irmã de Ida Verônica, de 8 anos, sequestrada de dentro da casa na última sexta-feira (26). A irmã da vítima irá auxiliar na elaboração do retrato falado do sequestrador, já que ela teve contato direto com o criminoso.

A divulgação do retrato falado do suposto sequestrador devem ajudar nas buscas. "Nós queremos o apoio de todos, qualquer pista, qualquer rastro dos homens que levaram a Ida para nós é bem vindo", contou o delegado da Divisão Antissequestro, Flávio Stinguetta.


ENTENDA A HISTÓRIA

Uma família do tradicional bairro Porto, de Cuiabá, vive um drama desde às 12h30 desta sexta-feira (26). Uma menina
 de apenas oito anos de idade foi sequestrada dentro da residência da família por um homem armado. As informações da Polícia dão conta de que Ida Verônica é filha de um casal de traficantes internacionais e morava em Cuiabá com a irmã mais velha.

Os pais da menina são Pablo Milano, extraditado para Itália e Izabel Feliz, dominicana que cumpria pena em Santa Catarina mas está foragida. Segundo a irmã da vítima, Daniele Siqueira, 26 anos, dois homens chegaram em um Celta branco de vidros escuros e estacionaram em frente a casa.

Um homem moreno de cavanhaque desceu e bateu na porta, foi quando Daniele atendeu. Ela estava sozinha na casa com Ida Verônica e o homem se mostrou interessado pelo terreno ao lado.

"Ele perguntou sobre o terreno e eu disse que não estava à venda. Ele me pediu um copo de água, tranquei a casa e fui buscar, quando voltei ele me apontou a arma e foi entrando", contou Daniele.

Segundo ela, o homem perguntou quem mais estava em casa, e ela respondeu que apenas ela e a irmã. Foi quando ele soltou 'é ela mesmo que eu quero', e saiu arrastando a criança.

Ida foi entregue com apenas três meses de vida a Tarcilla Gonçalina de Siqueira. Na época, a mulher trabalhava em um hotel onde os traficantes costumavam a se hospedar em Cuiabá, e foi a própria Izabel Feliz que pediu para Tarcilla cuidar da criança por um tempo.

Uma 'madrinha' de Ida Verônica chegou a vir para Cuiabá tentando rever a criança. Mas o caso foi parar na justiça e o bebê ficou morando no Lar da Criança, por seis meses, até que a família de Izabel cedeu a guarda à família de Tarcilla.

Quem tiver informações sobre o paradeiro da garota pode ser repassada pelos telefones (65) 9238-1091 ou (65) 9291-0607 ou 190.

Fazendeiro que mantinha trabalho escravo é condenado a 5 anos de reclusão




O proprietário da  fazenda "Novo Prazer" no Pará, foi condenado pela 1ªVara da Justiça Federal de Marabá (PA), a cinco anos e quatro meses de reclusão por manter mão de obra escrava em sua propriedade.

 Segundo o Ministério Público Federal, 11 trabalhadores foram encontrados em condições precárias de moradia, instalações sanitárias, quando existiam , encontravam-se  deploráveis, alimentos encontrados em estado de conservação inadequados e sem água tratada para consumo, que era retirada de poço ou córrego. Alguns deles nem recebiam salário pelo trabalho.


O juiz federal João César Otoni de Matos estabeleceu o regime semi-aberto para o cumprimento da pena. Pelo MPF/PA atuaram no caso os procuradores da República Tiago Modesto Rabelo e Luana Vargas Macedo. A decisão foi publicada no Diário Oficial Eletrônico da Justiça Federal na Primeira Região no último dia 11.

O número do processo é nº 133-28.2011.4.01.3901.




Fonte: UOL Notícias/Blog Sakamoto

Menina de 11 anos que estava desaparecida diz que foi abusada pelo raptor




A menina de 11 anos, que estava desaparecida desde quinta-feira (25) em Cascavel, foi encontrada na manhã de hoje (29) em Cafelândia. Machucada e bastante suja, ela estava na companhia de Cleodir Pereira, 49 anos. Os dois foram encaminhados à 4ª Companhia da Polícia Militar de Corbélia.

O homem já foi casado com a tia da garota que a criava como filha. Os dois caminhavam às margens da PR-180 quando os policiais os abordaram. “Ele tentou se evadir, os dois estavam em situação de andarilhos. Ele entrou em contradição várias vezes, dizendo que ela era filha, depois não era mais. Posteriormente acionamos o Conselho Tutelar e a criança revelou tudo”, conta o capitão Divonsir dos Santos.

A menina contou o que aconteceu com ela nesses cinco dias. “Ele me pegou pelo braço, me tirou da escola antes de eu entrar, falou que ia me levar para o Rio Grande do Sul. Ninguém o conhecia, ele não me deixou pedir ajudar, tapou minha boca. Daí me trouxe a pé até aqui. Foi bem difícil, ele deixava eu dormir no meio do mato e abusou de mim. Falava que se eu voltasse embora, ia me buscar e não ia deixar eu nunca mais ver minha mãe”, disse.

No ano passado, a criança havia fugido de casa ficando fora dois dias. Ela falou que fez isso porque Cleodir ameaçava que iria matar a mãe dela. “Fiquei fora dois dias, depois voltei. Agora também quero voltar para casa, minha mãe [tia] não me bate, ela cuida de mim”, comenta.

Cleodir nega o estupro e alega que retirou a menina de Cascavel para protegê-la da família que a agredia. “Eu trouxe ela para Cafelândia porque ela me ameaçava, falava que não queria voltar pro Conselho Tutelar, dizia que a cunhada batia. Eu estava tentando chegar num lugar e chamar conselho. Eu não tive relação com ela, ela é um anjo”, declara.

Cleodir já foi denunciado em 2008 por estupro contra a mesma menina. Ela foi acolhida pelo Conselho Tutelar e vai passar por exames que poderão confirmar se desta vez houve ou não o estupro. Ele foi conduzido à Polícia Civil que segue investigando o caso.

O Conselho Tutelar de Cascavel já acompanhava a menina, mas não soube informar se há alguma denúncia de maus-tratos na família.





28 de abr de 2013

Brasileiro desaparecido em Paris URGENTE:

Família espera por ajuda do Itamaraty para saber o que  aconteceu com  Denis Carlos Mendonça, de 35 anos, que saiu para trabalhar em 28 de março, mas não chegou ao trabalho e também não retornou a sua casa.

URGENTE : brasileiro desaparecido em Paris
AVIS DE RECHERCHE : brésilien disparu à Paris 

DENIS CARLOS MENDONÇA - BRÉSILIEN (35 ans)
DISPARU À PARIS ATTENTION DISPARITION

Compartilhe esta mensagem com todos os seus contatos por favor
Partagez ce message avec TOUS VOS CONTACTS SVP

DENIS CARLOS MENDONÇA,

 Nascido 30/08/1979 em Goiânia / Brasil, 34 anos, desapareceu em Paris desde 29 de março de 2013.
Né le 30/08/1979 à Goiânia / Brésil, 34 ans, a disparu à Paris depuis le 29 Mars 2013

Se alguém tiver alguma informação, favor contatar:
Si quelqu'un a des renseignements, contactez :
Antonio Cançado de Araujo Tel. +33 (0) 6 73 01 91 31
www.brasil.fr brasil.fr@brasil.fr

__________________________________________________



DENIS CARLOS MENDONÇA ,

Antonio de Araújo Cançado Tel. +33 (0) 6 73 01 91 31
 brasil.fr @ brasil.fr
Um brasileiro que mora e trabalha em Paris, há mais de 10 anos, está desaparecido há quase um mês.
Denis Carlos Mendonça, de 35 anos, saiu para trabalhar, em 29 de março, mas não chegou ao trabalho e também não retornou a sua casa.
A mãe, Maria Silvana Borges, disse que está “em desespero, porque até hoje não tem notícia” do filho, com quem falava pelo telefone todos os dias.

Denis mora com uma brasileira em Paris, mas ela não consegue ter acesso a informações da polícia francesa sobre o caso porque eles só dão informações a parentes legais.

Gilberto Brito, amigo de Denis, foi a última pessoa que teve contato com ele.
— Ele me falou que ia fazer um negócio e depois me contava.

A família diz que Denis saiu do interior de Goiás há 11 anos e foi para a França trabalhar na construção civil, deixando três filhas no Brasil.

Sua permanência no país não era legal, mas de acordo com a Secretaria de Assuntos Internacionais, se Denis estiver detido por permanência ilegal, o Consulado brasileiro na França deve entrar em contato nos próximos dois ou três dias.
A família de Denis também esteve no Itamaraty, em Brasília, mas não conseguiu nenhuma resposta sobre o que pode ter acontecido.